A FAMÍLIA CRISTÃ E A IGREJA

A FAMÍLIA CRISTÃ E A IGREJA

Maio 24th, 2017
Diversos
0

INTRODUÇÃO
Os cristãos estão vivendo dias incertos na terra, a instituição familiar está passando na atualidade por grandes mudanças em sua estrutura, no mundo todo há uma onda de desconstrução de conceitos tradicionais da família, porém a única instituição em que o cristão e sua família podem contar é a igreja que tem como base os ensinos da palavra de Deus. Neste estudo pretendemos mostrar a importância da participação da família na igreja para que todos possam alcançar uma vida saudável e equilibrada no seu crescimento, no desenvolvimento eficaz e condizente com os ensinos da Palavra de Deus na expansão do seu reino na terra.

1. PORQUE A IGREJA É O MELHOR LUGAR DE CONVIVÊNCIA DA FAMÍLIA?
Estamos vivendo um tempo de muita incerteza neste mundo, o ser humano esta cada vez mais só. A violência, o medo, insegurança das famílias. Sendo que a família é o alvo da destruição do inimigo, mas enquanto existir igreja de Cristo na terra, as famílias cristãs serão preservadas neste mundo, firmados na promessa de Cristo:.. eis que estarei convosco até a consumação dos séculos. Mt. 16. 18, Mt. 28.20.

a. A Igreja é uma união de famílias. É pela família que Deus faz a Sua obra de salvação, em primeiro lugar, usando a família de Abraão para trazer o Salvador a este mundo e abençoar todas as famílias da terra Gn 12.3; 18.18,19 e, nesta dispensação da graça, para formar a sua igreja.
Em Jerusalém começou o grande projeto da constituição da igreja cristã, em todo novo testamento observamos muitos relatos referente ao nascimento do cristianismo, por exemplo: é notável em Atos como as primeiras igrejas começaram pela conversão de famílias inteiras e lemos das casas de Cloé, Estéfanas e Crispo no começo da obra da igreja em Corinto, e das casas de Lídia e do Carcereiro no início da obra da igreja em Filipos. Até hoje, onde há duas ou três famílias salvas e de bom testemunho, não deve demorar a formação de uma igreja local, mas onde não há famílias salvas é quase impossível ver uma igreja estabelecida.

b) A igreja é um lugar de conquista da família.. O pecado tirou o direito de comunhão do homem com Deus, não há família, todos nós nascemos debaixo da maldição do pecado e carecemos de Deus, Rm 3.23. Por consequências do pecado sofremos com a solidão, medo e desânimo, doenças que aflige a todos. Vivemos no mundo pós- moderno tão evoluído e ao mesmo tempo tão contaminado pela poluição do pecado, então a igreja verdadeira precisa fazer sobressair sua importância e apresentar-se como um balsamo que alivia as dores do ser humano, tão necessitado da verdade espiritual. A igreja deve ser o principal componente a contribuir para que a célula básica, que é a família, mantenha o equilíbrio social e em particular espiritual. Quando passamos a pertencer à igreja de Cristo, somos “membros uns dos outros”. Aprendemos a viver com a humildade, mansidão, suportamos uns aos outros com amor, buscamos o vínculo da paz, vivendo em uma só esperança em nossa vocação Ef 4:2-4.

c. Desenvolvendo o amor entre os membros da família. Uma forma de crescer o amor é na adoração, ela providencia a oportunidade de a pessoa focalizar sua atenção no grandioso Deus, sendo Ele o nosso Pai, quando adoramos em família encorajarmos o sentimento íntimo de relacionamento mútuo dos membros.
O amor nos faz sentir a necessidade de uma boa comunicação que se faz muito importante no relacionamento entre as pessoas, quando temos uma comunicação correta, real e verdadeira, parte de nossa responsabilidade como membros uns dos outros são compartilhados o que somos e o que estamos experimentando no momento, exprimem nossos sentimentos, pensamentos e ideais, proporcionando o crescimento na igreja Cristã Ef 5.19.

2. OS VÍNCULOS DE PERTENCIMENTO.
As necessidades básicas do ser humano se resumem em três: Pertencimento, sentido e transcendências, segundo Jonh Stott. De fato, fomos criados á imagem de um Deus que é amor, e por isso desejamos amar e ser amado. Quando o bebê nasce chora porque está reclamando a presença, amparo de alguém que o coloque no colo, logo a figura materna entra em ação. Ter alguém que importa conosco é fundamental para alimentar o desejo de viver. Deus nos garante seu cuidado e amor incondicional, Isaías 49. 15, a família precisa sentir se segura dentro da igreja que escolhe para congregar-se.

a) Pertencemos á igreja de Cristo na terra. A igreja é um lugar que a família desfruta de bênçãos da comunhão com Deus e com os irmãos. Ás vezes nós sentimos frustrados, e carentes, tendemos a transferir para igreja nossas expectativas de um amor absoluto. A igreja passa a ser nossa última esperança de nos sentir aceitos e integrados. É bom saber que a igreja contribui sim para formação de uma família cristã abençoada, mas é bom saber também que a qualidade do meu amor pelos outros depende da qualidade da minha relação com Deus, permitindo construir uma comunidade verdadeiramente cristã. Uma comunidade inclusiva e não um clube social de troca e barganha, At.2.44-47.

b) Pertencemos á Deus de forma irrevogável. A mais importante afirmação das escrituras relativas á nossa identidade está no texto de Is. 44.10. Mas agora, assim diz o SENHOR que te criou, ó Jacó, e que te formou, ó Israel: Não temas, porque eu te remi; chamei-te pelo teu nome, tu és meu. As razões por que pertencemos a Deus, primeiro Ele nos criou: segundo, porque Ele nos remiu, isto é, nos comprou com seu sangue. Pertencer significa que temos vínculo com alguém, que temos um nome que alguém nos deu, que somos cuidados, que alguém zela de nós. Viver no anonimato é o contrário, sem nome, sem vinculo, sem que ninguém se importe conosco.

c) Nossos relacionamentos como família cristã. Quanto nossos relacionamentos como famílias cristãs, precisamos saber viver esta realidade, pois, é a experiência maior na ventura humana. Pertencer a Deus, o vínculo vertical e invisível, conscientizar-se e se realizar no pertencer um a outro, nos relacionamentos horizontais e visíveis.
Assim construímos nossos vínculos com nossa família espiritual de origem, com nossos amigos e na constituição de nossa família nuclear. O importante disso tudo é saber que alguém importa conosco, alguém com quem podemos nos dividir nossas alegrias e tristezas.
Por outro lado o pertencer nos revela ainda o outro lado da liberdade; quando abrimos mão de nossos direitos para uma vida de serviço. Servir é ser livre, isto é, ser tão amado, tão amado que não precisa provar mais nada, não precisa de outra compensação. O exemplo de Jesus Cristo que se sentiu de te tal forma, pertencer ao Pai que foi capaz de doar-se completamente. Fp 2.5-9.

3. DESENVOLVENDO O AMOR MÚTUO ENTRE OS MEMBROS DA FAMÍLIA E DA IGREJA.
A família é um projeto de Deus, lugar que seus membros mesmo com temperamento, gosto, digitais, diferentes se desenvolve o amor mútuo entre si. O primeiro ajustamento dos membros da família acontece no lar e daí, capacita o indivíduo para conviver de forma harmoniosa na Igreja.

a) A aceitação é primordial na convivência entre os membros. No conceito de membro uns dos outros o primeiro processo deve ser a aceitação, este é um elemento essencial no amor tão somente cristão. JO 15.12. O amor de Deus conosco é incondicional e imerecido, Jesus nos desfia a agirmos do mesmo modo. A necessidade de aceitação natural e plantada por Deus no coração de todo o ser humano. É o desejo de apreciação e valorização. Quando somos aceitos, sentimo-nos revigorados nasce uma confiança e um bem estar que nos dão forças para enfrentar as dificuldades e provações da vida.

b) A Comunhão é o exemplo da igreja Cristã. “Koinonia” Comunhão é uma palavra que vem do vocabulário grego, que se refere ao conceito de compartilhar com alguém algo que temos em comum. Sua dinâmica centraliza na comunhão com Jesus e uns com os outros. Seu cerne ressalta a ideia de participação Ef 4.16.
Para família “sentir bem na igreja” é necessário participação mútuo. É esperado que se invista tempo no crescimento dos talentos, relacionamento e cultivo espiritual de cada membro da família. Deve haver um esforço consciente por parte de cada pessoa para contribuir no que for necessário e estar pronto para receber as bênçãos que lhe cabe como membro da família e também do corpo de Cristo

c) Levar as cargas uns dos outros é dever cristão Gl. 6:1-5. Levar as cargas uns dos outros é compartilhar no sofrimento uns dos outros. Uma forma de crescimento da vida espiritual esta na forma que comportamos diante do sofrimento de outra pessoa, quando não aproveitamos essa oportunidade para se destacar, para se mostrar que somos melhores, mas agir com amor e brandura, visando á restauração, caso tenha pecado e visando a edificação do corpo de Cristo. A oração intercessora é um meio de ajudar uns aos outros, pois ela renove montanhas, modificam corações, famílias, vizinhanças, cidades, nações. Enfim é a oração a fonte absoluta de poder, porque, na realidade viabiliza e liberta e reflete o poder de Deus, TG 5.16.

CONCLUSÃO
A conscientização do nosso lugar, função e valor no corpo de Cristo e a obediência aos ensinos do mestre Jesus para contribuição do crescimento da igreja e expansão do reino devem ser aplicada com todo amor e empenho e dedicação entre os membros da igreja e no lar, só assim poderemos conhecer o resultado da família na igreja.

Pra Eliud Magalhães

Deixe seu Comentário

Mensagens
Curta Nossa Página
Facebook By Weblizar Powered By Weblizar